Translate

sexta-feira, 10 de março de 2017

Resenha: O Que Resta de Mim.



O Que Resta de Mim  
(Série Flores – Flor de Lis)
Thays M. de Lima
Amazon


 É sempre muito complicado para mim ler livros onde certos assuntos são apresentados, no entanto, este livro de Thays M. de Lima me transmitiu o suporte necessário para olhar além da dor que sinto quando leio algo sobre abuso infantil. Pois é...
 O Que Resta de Mim conta a história de Gabriela Rosemberg, uma jovem linda, que vai estudar engenharia na UFRJ e conhece Guilherme Ávila, um gato, gostoso, prepotente de um certo modo, mas que a atrai de imediato. Porém, Gabi tem um drama em sua vida: ela foi abusada pelo pai quando era criança e o matou (pelo menos é isso que compreendemos neste primeiro volume da Série Flores – Flor de Lis). Esse trauma ela carrega consigo e precisa de sessões com uma psicóloga para começar a se soltar.

 Gabi sempre esbarra em Guilherme e, para sua surpresa, Júlia, a irmã de Gui, torna-se sua companheira de quarto no alojamento da faculdade e ela começa a compreender que não é a única a ter seus fantasmas: Júlia também os tem.
 Aos poucos, Guilherme consegue entrar no mundo solitário de Gabi, que faz dos amigos de Gui, Rafael e Lucas, seus amigos também.
 Mas é quando Milena, sua melhor amiga, vem morar no Rio, depois de perder sua mãe, uma mulher bondosa, que ama Gabi também como uma filha, que a garota realmente começa a se encontrar e, aos poucos permite a aproximação de Guilherme, que ele a toque, que comece a juntar os pedaços por ela perdidos em toda a sua jornada para tentar esquecer o passado e seguir em frente.
 É um livro bonito, em que olhei além das cenas de paixão e amor, contemplando e me colocando no lugar da protagonista em sua dor infinita por ter sofrido tamanha falta de afeto e ter perdido alguém que um dia fora seu herói. Não é uma obra superficial, vazia, como tenho visto tantas por aí. Recomendo a leitura e já me sinto ansiosa pelo segundo volume, onde mais verdades serão expostas e, quem sabe, os sonhos se tornarão realidade definitivamente.

Um comentário: